QUANTOS PÃES TENDES? (João 6, Marcos 6.38)

Sempre dizemos que somos pobres. Na mensagem de hoje desejamos fazer um levantamento de nossas possibilidades reais. "Quantos pães tendes"? Foi a pergunta feita outrora por Jesus. "Quantos pães temos nós"? É a resposta que devemos dar no dia de hoje.


I - O PROBLEMA ENFRENTANDO POR JESUS E PELOS DISCÍPULOS


Fixemos o olhar nos textos. Dada a importância da matéria e a impressão causada pelo milagre da multiplicação dos pães, todos os evangelistas registraram o evento.

1. João nos informa que Jesus levantou a questão. Ele perguntou a Filipe como havia de solucionar o problema.

2. Filipe, certamente, comunicou aos demais a pergunta de Jesus. E os discípulos resolveram apresentar uma sugestão: "Despede a multidão... que eles mesmos cuidem de si... não teremos os 200 dinheiros para gastar em pão".

3. Jesus repele a sugestão dos discípulos. "Dai-lhe vós de comer".

4. Diz-nos João que Jesus sabia o que haveria de fazer. Marcos informa que ele fez a pergunta inquiridora: "Quantos pães tendes"? Ele sabia, portanto, que havia pães e quantos seriam, mas desejava obter um balanço através do próprio relatório dos discípulos.


II - O INVENTÁRIO FEITO E SUAS QUESTÕES


1. Os discípulos sabiam que seriam necessários duzentos denários para saciar a multidão. Um denário equivalia a um dia de salário do operário do tempo. Jesus, no entanto, desejava um cálculo real, não uma sugestão aproximada. "quantos pães tendes"? Ide, no entanto, ver antes de apresentar relatório.


2. Façamos, hoje, nosso inventário. Quantos pães temos?

3. Quantos pães tendes? Jesus sabe o que temos. Diz-nos João que ele sabia o que haveria de fazer. Quando diante do gazofilácio contemplava as ofertas que eram ali depositadas, ele soube o quanto cada um estava dando e quanto cada um possuía. Hoje, igualmente, ele sabe quanto temos e quanto daremos.

III - A CHAVE NA SOLUÇÃO DO GRANDE PROBLEMA


1. Em primeiro lugar vale meditar nos agentes da pesquisa, do inventário. Eram discípulos do Senhor, por ele santificados e comissionados. Aqueles varões de Deus foram para realizar a sondagem. Pastores podem ajudar no inventário.

2. O rapaz possuía os pães e os peixes. O mais velho havia comido tudo, mas o jovem possuía ainda sua merenda. O moço possuía meios para solucionar o problema e, no entanto, todos estavam famintos.

3. O moço entrega a Jesus o pouco que possuía. Pouco demais, talvez pensasse, mas consagrou ainda assim ao Senhor. Jesus tomou aquele pouco que lhe fora consagrado, elevou os olhos aos céus e deu graças.

4. Jesus começou a dar aos discípulos o pão. Cada um ia recebendo sua porção.

5. Grupos foram formados. Cada grupo recebeu o que precisava. Sobraram doze alcovas cheias. Talvez esses grupos sugiram a nós as diversas fases de nosso trabalho denominacional: Missões Estrangeiras, Educação Ministerial, Ministério local, Missões Nacionais.

O pouco que consagramos a Jesus será suficiente para o êxito de qualquer obra realizada no seu nome. Recapitulamos o total da cena. Ali está o moço que possuía nas mãos o pouco que haveria de solucionar o problema de muitos.

"Quantos pães tendes"? Ele sabe o que temos. Não ficará bem escondermos as coisas. Ele sabe.

Se desejar, deixe o seu comentário abaixo: