O EVANGELHO ENCOBERTO (2Corintios 4.1-6)

Sermão proferido em 08.01.1953

Estamos diante de um texto aparentemente paradoxal. A palavra Evangelho significa boas novas. E o Evangelho tem sido as melhores novas através de todos os tempos. Em nosso texto o apóstolo o chama de "Evangelho da glória de Cristo" e de fato o é.

Todavia, alguns haviam de rejeitar tão maravilhosa promessa e tão maravilhoso Evangelho. Por que? Qual a razão ou quais a razões? Não há desculpas para um homem do século 20 deixar de seguir o Evangelho, uma vez que tão divulgada se encontra a mensagem. Por que? O grande apóstolo encontrara em seus dias alguns que não compreendiam as boas novas. Para ele o Evangelho estava escondido. A palavra encoberto significa sob véu. Eles não o aceitam porque estão sob o véu.

I - O EVANGELHO QUE PAULO PREGAVA

1. Era um evangelho de verdade (v.2). O apóstolo fala daquilo que os homens têm receio de apresentar. Divergiam muito gestos, atos, pensamentos. Eram menos dignos do que o Evangelho que pregava.

2. Era "Evangelho da glória e de Cristo". Os homens são escravos da glória, mas aqui Paulo de alguns que não se mostravam tão interessados na glória do Evangelho. Morreu há pouco o campeão de ciclismo. Foi pedalando, pedalando até quebrar todos os records. Continuou pedalando e morreu... Mas aqui está o Evangelho da glória que é olhado com desprezo...Não ficou superado. Está vivo.

3. Era um evangelho de experiência. Paulo dizia (v.6) que a luz havia resplandecido em seu coração assim como Deus havia proposto. Mas, apesar de tudo, para muitos, o Evangelho está encoberto. Alguns sentiam a transformação do perseguidor Paulo, mas ainda assim não criam. Para estes o Evangelho está encoberto.

II - CARACTERIZEMOS AQUELE QUE VEEM O EVANGELHO ENCOBERTO

1. Estão a caminho da perdição (v.3b). "Para os que se perdem". Talvez não saibam, mas estão; talvez não queiram, mas estão. Talvez não se incomodem, mas estão a caminho da perdição.

Não me esquecerei jamais daquela noite lá em Minas, numa estrada erma que vinha para Tocantins. Apressado e distraído tocava o cavalo a galope até que ouvi um grito dentro da noite... pára moço, perigo. Parei o cavalo. E graças a Deus o fiz, pois que o abismo imenso me aguardava a poucos metros.

2. Estão cegos. "O deus deste século os cegou". Quem é o deus deste século? É o diabo. Ele é o deus deste século. Pois é satanás que tem cegado inteiramente os homens para que não vibrem nem sintam nem aceitem o Evangelho. Há muitos insensíveis e até bem vestidos, mas quem os cega é o diabo.

III - A HISTÓRIA DE UMA PESSOA QUE SAIU DAS TREVAS PARA A LUZ

Diz-se muita coisa a respeito John Bunyan, autor de "O Peregrino". Talvez seu melhor livro seja o "Graça Abundante" no qual conta sua conversão a Deus. O Peregrino é alegoria, mas o Graça Abundante são os fatos.

John Bunyan foi herdeiro de pais pobres. Foi à escola com dificuldade, mas não encontrou dificuldade para atolar-se no pecado em plena mocidade. Ainda moço sentia medo do inferno de fogo. Vezes desejou morar no inferno como um demônio ou então que não houvesse inferno. Mas, não obstante temer o inferno pecava mais e mais. Mas Deus em sua misericórdia velava por ele.

Bunyan sentiu que era hora de aceitar a Cristo, mas o diabo lhe fez crer que era tarde demais e que não adiantava. Chegou a tal ponto em profanação que ouviu envergonhado uma senhora dizer que ele era o homem mais inconveniente que havia visto. Tal foi sua vergonha que começou a corrigir-se dos palavrões.

Começou então a frequentar a igreja da Inglaterra e achou que os cultos era a salvação. A vida não precisava de mudança alguma... os homens louvavam, mas ele se envergonhava de suas maldades. O Espírito continuava a lutar com ele, mas não tinha força para deixar os companheiros.

Chegou um dia quando foi a Bedford e ali ouviu ali um grupo de pobres senhoras que falavam a respeito da conversão, novo nascimento, coisa que nunca ouvira antes. Todavia, um desejo imenso possuiu o seu coração e decidiu que havia de ser crente. O diabo começou a trabalhar... mas Bunyan foi orar e percebeu a cilada.

Você não foi eleito para a salvação, mas a graça de Deus foi maior. Começou assim a vida destemida de John Bunyan. O Evangelho se descobriu para ele. Bunyan sentiu o esplendor do amor de Deus em seu coração. Já o sentiste, amigo?

Se desejar, deixe o seu comentário abaixo: