ESTUDOS EM PEQUENAS EPÍSTOLAS E LIVROS DA BÍBLIA (Epístola de Judas)

Não pensei que seria bom este estudo hoje, uma vez que teremos algo muito especial. Vamos olhar a epístola no seu todo. Sabemos pouco de Judas, o autor da epístola. Para uns ele era um dos dez apóstolos e para outros era meio irmão do Senhor. Esta ultima ideia é a mais aceita. Há um relato interessante a respeito de dois de seus netos. Dois de seus netos foram levados perante Domiciano porque, como Herodes, ele temia muito o aparecimento de Cristo. Tinha ouvido que era descente de Davi. Mas logo soube que eles não possuíam senão poucos quilômetros de terra e suas mãos estavam calejadas pelo trabalho e seu interesse era todo espiritual, resolveu mandá-los de volta para casa.

I – A EPÍSTOLA EM LINHAS GERAIS

1. O objetivo principal foi “exortar os crentes a batalharem pela fé, uma vez para sempre entregue aos crentes. Notemos que seu propósito inicial era escrever sobre a salvação comum. Mas sentiu que deveria exortar. Isto acontece a qualquer pregador. Muitas vezes circunstâncias obrigam o pregador a mudar os seus sermões.

2. Outros assuntos tratados em relação ao tópico escolhido:

(1) Falsos mestres (versos 4)

(2) Os anjos decaídos (verso 6)

(3) A contenda do anjo Miguel com o diabo (verso 9)

(4) A profecia de Enoque (versos 14-16)

3. Procuremos notar os adjetivos que eram abundantes no vocabulário de Judas.

II – MEDITEMOS NOS PRIMEIROS VERSOS DA EPÍSTOLA

1. O autor é um servo de Jesus Cristo e irmão de Tiago. A palavra servo tem sido traduzida por escravo. De fato era escravo em cadeias, mas não obrigado. Era um escravo voluntário. Quanto melhor crente, mas chegado ao seu Mestre, mais à sua disposição, mais pronto para servi-lo. Judas era bem humilde e isto é claro na sua saudação. Ele se apresenta sob dois grandes nomes, no entanto: Jesus e Tiago, que era possivelmente um dos mais destacados apóstolo de Jesus (Atos 12.17; 15.13, 32, etc.).

2. Notemos em seguida a quem ele escreve. Aqueles que, tendo sido e estando tentados, conservam a fé em Cristo. Alguém sugere para estes versos a seguinte tradução: “Aqueles que são amados em Deus o Pai e guardado por Jesus Cristo.” Notemos então a parte importante desempenhada por Deus. Guardados por Jesus Cristo, em Jesus Cristo, assim como os galhos que são guardados na videira. Os crentes são incorporados a Cristo, assim como os galhos são incorporados na videira. Notemos então que quem guarda o crente é Deus e Ele nos guarda em Cristo e para Ele. Outra coisa singular é que somente Judas apresenta esta forma triplica de saudação. A palavra amor não aparece em nenhuma outra invocação.

3. Notemos em seguida a razão porque ele escreve. Sua primeira palavra é a mais doce de todas, “Amados”. Mostra o seu carinho, o seu coração amoroso, o que seria difícil de se notar, tendo em vista a terminologia da epístola. Seu desejo era conversar sobre assuntos de interesse mútuo, quando todos poderiam se alegrar. Mas há um perigo iminente. Notemos que estamos ainda no primeiro século e já estava em perigo iminente a prática do Cristianismo. Já havia mentirosos e adversários. Já havia falta de reverência para com a Palavra de Deus.

4. Exortar-vos a batalha pela fé uma vez que para sempre entregou aos crentes. Uma vez para sempre. Não segue a teoria romana de variar com os séculos e com os dias. Para sempre.

Se desejar, deixe o seu comentário abaixo: