AS FOMES DO MUNDO MODERNO - O FAMINTO ALIMENTADO (Mateus 14.13-21)

As grandes preocupações da Sociologia Moderna centralizam-se no problema da fome. A técnica moderna científica analisa e procura solucionar o problema da fome no seu sentido físico. Mas as procuras e análise dos fenômenos do espírito marcam a existência de fome além do reinado do pão, dentro do esquema de Cristo "Nem só de pão viverá o homem... (Mateus 4.4). O próprio Cristo acrescentou: "Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça"... (Mateus 4.6). Paremos um pouco para pensar no problema da fome, tendo em vista uma aplicação espiritual.


I - O MUNDO ESTÁ AMEAÇADO PELA FOME

1. Os relatórios da UNESCO alarmam o homem. Cresce o número dos que morrem de fome. Dr. Paulo Stevens escreveu um livro terrível mostrando o mundo dos que morrem de fome. (*)

2. Mas a Bíblia fala de fome muitas vezes e prevê fome para os nossos dias. Lemos de que houve fome no Egito no tempo de José. Houve fome na caminhada pelo deserto quando o povo murmurou contra Moisés. O filho pródigo foi vítima da fome na terra onde estava. Jesus sofreu fome no deserto. Quantos benefícios têm surgido pela fome e quantas tragédias também.


II - HÁ FOME NO TERRENO DO ESPÍRITO

Cumprem-se nos nossos dias as palavras do profeta Daniel para os últimos dias. A Ciência se multiplica.

1. Há fome de conhecimento, novas ideias e ideologias. O mundo vai se tornando pequeno.

2. Há esforços de alfabetização em todo o mundo, aumentando o número de livros de modo assustador.

3. A UNESCO fala em alfabetizar 350 milhões de pessoas.

4. Problemas da fome do espírito, desvios da concepções bíblicas. Aumento dos vícios em todos os tipos.


III - FOME DOS CORAÇÕES

Aumenta a população, aumentam as atividades, aumentam as responsabilidades e diminuem as horas de confraternização real entre os homens.Há famílias que não se reúnem nunca por falta de tempo.

Johan Bojer (1872-1959) narra a experiência de Peter Holm, o engenheiro próspero que começou a perder a visão e os negócios. Quase cego e sem nenhum sucesso material, resolveu perdoar o vizinho que odiava há anos.Durante o tempo do meu grande sucesso, diz ele, tinha fome. Não era fome de conhecimento, de riqueza, mas era a fome de construir um templo e um altar dentro de mim onde pudesse sentir a vida na sua plenitude.

Para todas as fomes de todos os homens em todos os lugares há um alimento perfeito: Jesus Cristo, nosso Senhor. Jesus é alimento para as emoções, para a vida. "Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância" (João 10.10).

O Cristo que trouxe vida em abundância tornou-a possível pela sua própria morte. O sangue que traz vida. O sangue que traz esperança, Jesus Cristo Salvador.


N.R. UNESCO - Organização das Nações Unidas Para Educação e Ciência.

(*)É professor emérito de teologia e liderança no Regent College, Vancouver, British Columbia.

Se desejar, deixe o seu comentário abaixo: