AINDA MUITÍSSIMA TERRA HÁ PARA POSSUIR

Josué 13.1


Todos nós lembramos do luto que cobriu o coração do povo batista brasileiro quando lhe foi anunciado o falecimento do Dr. L.M.Bratcher no Hospital dos Estrangeiros desta cidade. Para muitos a morte do querido Dr. Bratcher era o fim das missões nacionais. Os que assistiram o culto fúnebre celebrado em sua memória no templo da Primeira Igreja devem lembrar-se do pessimismo com que a maioria dos oradores se referiu ao futuro da obra de Missões Nacionais. De um deles ficou-me estampada na memória a seguinte frase: “Outro igual poderá talvez, levantar-se; maior nunca”.


Ao ouvir esses discursos, tive a impressão de que, nessas horas de grande dor, alguns dos nossos melhores homens perdem momentaneamente a noção de que Deus não morre; de que Ele é poderoso para levantar um Eliseu com porção dobrada do espírito de Elias e outro profeta maior do que Moisés.


Em contraste com essas expressões de pessimismo dos que se despediam do saudoso secretário Bratcher, sobressaem as suas últimas palavras sussurradas ao seu jovem pastor: “Dize à mocidade batista que ainda há muitíssima terra para possuir”. Essas palavras extraídas de Josué 13.1, haviam sido escolhidas por ele como o tema inspirador do seu último dia de Missões Nacionais na terra do Brasil. Elas tem, portanto, um significado profético e emprestam à morte do valoroso Bratcher o sentido de um incidente inspirador, o mais inspirador de sua vida laboriosa. Ele foi, como Sansão, maior na sua morte do que na sua vida. Morreu inspirado e inspirando milhares!


Ainda há muitíssima terra para possuir! Afinal, essas palavras serviram também para despertar na própria Junta o senso da sua transcendente responsabilidade para com o povo batista e o futuro da causa missionária, com relação ao sucessor do Dr. Bratcher. Ele começara, apenas, a possuir a Pátria Brasileira para Cristo. Vastas áreas ainda esperavam os pés de outro Josué para serem possuídas. Quem seria esse novo Josué?


Por algum tempo a Junta parecia traumatizada, sem ânimo de pensar sequer, em enfrentar o problema, até que, em certa reunião, um dos seus membros levantou-se corajosamente e propôs que se tomassem as medidas necessárias a escolha do substituto do Dr. Bratcher. Escolheu-se a comissão que deveria indicar o nome de alguém com as virtudes de um líder capaz de servir de timoneiro das Missões Nacionais. Desta comissão faziam parte os seguintes irmãos: David Gomes, relator; Edgar Calmon, Maria Amélia Daltro Santos, José de Miranda Pinto, etc.


Várias convocações, várias consultas e muita oração. Na última reunião na sede do Seminário Betel, um dos irmãos levantou-se e pediu licença para indicar um nome que lhe pesava no coração havia algum tempo. E apresentou-se o nome do Pastor David Gomes, dizendo que o extraordinário pastorado que ele estava realizando, sua dedicação ao evangelismo, sua coragem, sua inteligência e sua mocidade, faziam dele o homem ideal para substituir o Dr. Bratcher. O sentimento de unanimidade que se formou imediatamente na reunião foi admirável, a despeito da surpresa e da mudez que ficou o Pastor David Gomes. Uma irmã, membro da comissão confessou que havia ido à reunião com outro nome nos lábios, mas votaria agora, convictamente, no Pastor David Gomes. O Pastor David Gomes pediu prazo para orar e pensar. Foi-lhe dado o tempo desejado. Mas qual não foi a alegria da comissão, quando recebeu alguns dias mais tarde a resposta favorável do Pastor David Gomes!


Diante desta notícia alvissareira, pôde o Presidente convocar uma reunião plenária da Junta para ouvir o relatório da comissão e aceitá-lo ou rejeitá-lo. Afinal, no dia 12 de junho de 1953, reuniram-se na cidade do Rio de Janeiro, os membros da Junta de Missões Nacionais, vindos de todos os quadrantes do Brasil. Foi uma reunião memorável, pelo número e pelo espírito. Além do nome indicado pela comissão, outros dois surgiram do plenário. Entretanto, logo no primeiro escrutínio venceu o Pastor David Gomes por grande maioria. Para fortalecer o jovem e novo secretário na sua árdua tarefa, foi sugerido um segundo escrutínio para conseguir-se unanimidade. Realizou-se o segundo escrutínio, mas ainda alguém votou contra o Pastor David Gomes. Só agora, 10 anos depois, pôde o autor deste artigo, conhecer o nome desse irmão que teimou em votar contra David Gomes. Era um velho e respeitável diácono da Igreja Batista da Tijuca, que não se conformava em hipótese alguma em perder o seu querido pastor.
David Gomes foi solenemente investido no cargo de Secretário-Tesoureiro da Junta de Missões Nacionais no dia 29 de junho de 1954, no templo da Igreja Batista da Tijuca, com a presença dos líderes da causa batista.


Dez anos são passados. Qual é agora o testemunho desses anos de administração do jovem David Gomes? Que falem os números da última estatística; que falem os batistas de todo o Brasil que acompanham entusiasticamente os passos do seu jovem Secretário Tesoureiro nas suas andanças missionárias; que falem as igrejas e seus pastores que lhe recebem periodicamente a visita, que leem continuamente as suas cartas de apelo e seus artigos no Jornal Batista e na revista “A Pátria para Cristo”, que lhe ouvem a voz inflamada nos programas de rádio. Temos a impressão de que o testemunho unânime é o de que foi Deus e não o homem quem escolheu David Gomes para ser o timoneiro da Junta de Missões Nacionais. Que, afinal, Deus não se conformou em levantar apenas outro secretário igual, senão maior que o estimado e apreciado irmão Dr. Bratcher, o homem de visão profética.


Sim, sem nenhum desdouro para o grande Bratcher. Deus levantou um maior do que ele, na sua sucessão apostólica; maior do que ele em viagens pelo Brasil afora; mais do que em trabalhos; maior do que ele em administração; maior do que ele em sofrimento e combates, maior do que ele em abertura de novos trabalhos, na dedicação de escolas, no estabelecimento de dispensários. Igual ou maior do que ele na confirmação e melhoria das obras já estabelecidas, nesse patrimônio glorioso recebido das mãos do saudoso Dr. Bratcher. Quem poderia jamais imaginar que se pudesse possuir tanto para Deus em apenas 10 anos? Quem poderia imaginar que o último e tímido alvo da oferta missionária do grande Bratcher – 1 milhão de cruzeiros em 1952 - seria transformado nos 100 milhões de cruzeiros do ano de 1964, por David Gomes? Os 105 obreiros do tempo de Bratcher, seriam multiplicados nos 10 anos de David Gomes? Quem poderia conceber que o orçamento de 2 milhões e pouco do ano de 1952, seria elevado para mais de 150 milhões em 1964? 


Nesses 10 anos, campos novos de muitíssima terra foram penetrados pelo Pastor David Gomes. No Tocantins, Colmeia, Cristalândia, Alvorada, Gurupi, Paraiso do Norte e muitas outras localidades foram ocupadas. Acre foi reaberto e floresce; Amapá ocupado pela primeira vez; Marabá, no grande Estado do Pará, foi também ocupada; Carinhanha no Alto S. Francisco e mais as cidades de Ibotirama, São José, Riachão das Neves, Riacho da Areia, Central, Santa Maria da Vitória, Ipupiara e inúmeras outras só no Vale do S. Francisco. No Ceará, terra do Presidente Castelo Branco, começamos o trabalho de cooperação, como também em Sergipe. Em Goiás central entramos no campo aberto por Dr. B. H. Foreman e ampliamos sua obra em Dianópolis, Rio da Conceição, Taguatinga, Campos Belos e outros lugares da vasta região. A evangelização dos índios, grandemente ampliada com o estabelecimento do trabalho entre os Xerentes e Paacaz. Tudo isso sem perder nada do que se herdou do grande pioneiro Bratcher.


Os três dispensários do tempo do Dr. Bratcher foram acrescidos de mais dez, todos eles dirigidos por enfermeiras diplomadas. Nesses 10 anos, por incrível que pareça, quase uma centena de novas propriedades foram adquiridas ou construídas pelo novo Secretário no seu afã de possuir mais da vastíssima terra do Brasil para Cristo. Três novos edifícios foram acrescentados ao Instituto Teológico de Carolina (menina dos olhos do Dr. Bratcher) e novos e majestosos prédios erguidos para o já famoso ginásio de Tocantinia, de que é diretora a Jovem Margarida Gonçalves e de que saíram 5 ginasianos formados no ano passado, e deste ano, 17. O Orfanato de Itacajá acaba de receber grande edifício e o novo Orfanato de Barreiras, marcha para o seu edifício. Teremos em breve o Instituto Teológico Batista do Vale do S. Francisco, com sede em Ibotirama. Nesses 10 anos 4 novos departamentos foram apresentados à Junta: Evangelização, Educação Missionária, Assistência Social, Publicidade e Propaganda. Dois desses departamentos têm secretários, que lhe dão tempo integral.


Diletos, o trabalho de Missões Nacionais, não é brincadeira, pela extensão do campo, pelo vulto de responsabilidade econômica e pela natureza variada e delicada dos serviços que inclui. Nesses 10 anos, como se tem havido a altura de todo esse complexo de empreendimentos, o nosso jovem Secretário! Que sabedoria, que paciência, que perseverança, que resignação, que coragem ao enfrentar tudo isso!  Problemas internos da Junta, no governo do seu hoje grande escritório; problemas no interior, com enfermidades dos obreiros, suas queixas, a multiplicidade de suas consultas e o suprimento de todos. São preocupações constantes de reajustamento salarial, relações com os Ministérios de Educação e do Trabalho e com o S.P.I. Além disso a vasta correspondência que ele atende pessoalmente. 


Quanta coisa, Santo Deus, a pesar sobre os ombros de um só homem, além dos encargos de uma numerosa família e as contínuas solicitações das igrejas que o querem ouvir e ver, de longe e de perto. Como se não fosse bastante, ensina do Seminário do Sul e no Betel, orienta os programas radiofônicos da Junta de Missões Nacionais, e os da Escola Bíblica do Ar e serve de relator e, por vezes o autor único das notícias e artigos da revista “A Pátria para Cristo”.


David Gomes representa para mim o maior presente de Deus ao trabalho de Missões Nacionais. Sua pessoa, seu entusiasmo, sua bravura, seu sorriso, constituem uma constante inspiração para mim. Os 10 anos maciços à sociedade que Deus dotou também os brasileiros com a atividade deste brasileiro de Minas Gerais, demonstraram capacidade de promover os grandes movimentos do seu bendito Reino. Que há brasileiros dotados de gênio criador, tenacidade, visão do futuro e elevado senso prático.


Sem os recursos de que dispunha o grande Bratcher, recursos que lhe vinham de amigos liberais da América, sem uma verdadeira base financeira, David Gomes, dentro de pouco tempo, levantou a economia da Junta emancipando-a completamente de ajuda de fora. Conquistou o interesse das igrejas, a confiança dos seus colegas nacionais e missionários, pôs em ordem as finanças e os negócios da Junta, perturbados com a morte do ilustre Dr. Bratcher. Construiu um Império Espiritual para Deus.


Nesses 10 anos David Gomes manteve e fortaleceu tremendamente o Espírito Missionário, essa consciência missionária que o Dr. Bratcher, tão habilidosamente começou a despertar em nós, batistas brasileiros. Como as nossas igrejas se têm tornado liberais para com o trabalho missionário! Que ânsia de contribuir nesses tempos de inflação e pobreza! Parece por vezes um delírio de milhões para a redenção espiritual do Brasil! Por toda a parte se ouve que as igrejas estão ultrapassando de muito os seus alvos admiráveis! Milhão já não é mais o limite. Uma pequena igreja de Santos, de apenas 200 membros, levantou de uma só vez, no ultimo dia de Missões Nacionais, 2 milhões de cruzeiros. A 1ª Igreja Batista de Santos, cujo alvo era dois milhões e duzentos mil, se não me engano, levantou 2 milhões e oitocentos mil, com grande alegria, para a evangelização da pátria!


Um menino da primeira dessas igrejas citadas, inflamado de zelo, resolveu vender tudo o que tinha, um canarinho belga, por 1.000 cruzeiros e ofertá-lo à missões. O trato foi feito, mas a fatalidade ia apertando o coração do garoto: o canarinho morreu antes da venda. Entretanto, um dos homens da igreja procurou o menino e resgatou pelo preço estabelecido, o canarinho morto. O esperto menino recebeu o dinheiro e teve mais uma lembrança para aumentar a sua oferta missionária. Agora, disse ele ao resgatador do canarinho defunto, o senhor podia comprar também a gaiola, e ajudar-me a dar ainda mais para missões. O bom homem comprou a gaiola por Cr$ 500 cruzeiros, de maneira que ufano o menino foi entregar ao Pastor David Gomes, os Cr$ 1.500 cruzeiros de sua oferta para a redenção do Brasil. Esse é o espírito que está tomando conta do povo batista da nossa terra. Que ele se alastre e domine de sul a norte, mormente agora quando estamos começando a grande Campanha Nacional de Evangelização.


Graças a Deus por tantas e tão avantajadas vitórias. Que tragédia teria sido para o povo Batista, se a Junta de Missões Nacionais tivesse errado na escolha do substituto do amado Dr. Bratcher?


“Ainda há muitíssima terra para possuir”. E a posse dessa muitíssima terra depende de duas coisas: de mais soldados, em primeiro lugar; e de mais recursos em segundo. Acontece para nosso conforto que o lugar onde Deus recruta os seus novos soldados e levanta os meios para a posse da muitíssima terra que ainda resta possuir é o mesmo – são as igrejas. Jovens das igrejas Batistas, ainda há muitíssima terra da nossa Pátria para conquistar – cidades, vilas e povoados espalhados nesse vasto território habitado hoje por 80 milhões de brasileiros. Igrejas; a vós cabe o dever de ajudar a sustentar o exército cada vez mais numeroso de obreiros escolhidos e chamados por Deus para a posse da muitíssima terra do Brasil.


Duas razões imperiais me forçam a insistir hoje perante vós mesmos na necessidade de possuirmos terra para Jesus: a primeira é a muitíssima terra, isto é, a multidão de brasileiros que esperam a pregação do evangelho para serem salvos e se tornarem conosco herdeiros do céu; a segunda é a brevidades dos tempos. Cada dia que passa, estamos mais perto do grande dia da volta do Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, quando todas as oportunidades de trabalho de evangelização e de salvação cessarão para sempre. O tempo urge. Quem se apresentará? Ainda há muita terra para possuir. Onde estão os obreiros: Onde estão os moços dispostos a avolumar o exército conquistador? Quem se apresenta? Há oportunidades para todos; pregadores, enfermeiros, professoras, assistentes sociais, colportores, escritores e pastores.


Quem quer alistar-se?


Pastor Dr. José de Miranda Pinto
Presidente da Junta de Missões Nacionais
1965


Em: COLETÂNEA DA VIDA DO PR. DAVID GOMES – Ano de 1965. Não mencionada a editora. Publicação independente.

Compartilhar
Twitar
Google+
Please reload

Se desejar, deixe o seu comentário abaixo:

© 2018 Família David Gomes - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido e customizado por MTV Developer - RJ/Brasil

Créditos e Gratidão