O USO CRISTÃO DO DINHEIRO (Lucas 16.10; Mateus 6.21-24)

Durante o ano, teremos, pelo menos uma vez por mês, algo que nos lembre a sagrada doutrina da mordomia. Falo hoje sobre o dinheiro, na esperança de poder ajudar a alguns que ainda não entendem o grande privilégio, bem assim .para alegrar os que são fiéis neste alegre caminhar.


I- A IMPORTÂNCIA DO DINHEIRO NO MUNDO ATUAL

Vivemos atordoados em questões financeiras. Compramos e pagamos, recebemos e damos. Bombeiro especialista em colocar pias de cozinha não pode construir a cozinha da sua casa. Agricultor que produz trigo vai à padaria comprar pão. Precisamos, portanto, entender o manejo do dinheiro. Alguns pensamentos podem ajudar-nos.

1. Como estou ganhando dinheiro? Lícita ou ilicitamente?

2. Qual a minha atitude para com o dinheiro? (servo ou senhor)

3. Como gasto eu o dinheiro que recebo?

4. Por que dou o dinheiro? Como contribuo?


II – O DINHEIRO QUE DEUS PEDE COMO OBRIGAÇÃO

“Os dízimos e as ofertas alçadas” (Malaquias 3)

Uma igreja estava enfrentando o problema de um déficit. O pastor, numa reunião de obreiros, fez um apelo para alguém que pudesse resolver o problema. Levantou-se um diácono e declarou: Eu pago o déficit da igreja, na certeza de que daqui por diante não surgirão mais problemas dessa natureza. Houve uma emoção, e um diácono levantou-se e disse: Creio que devemos ratear o déficit... mas o diácono respondeu: Desta vez eu darei o total. A coisa mais fácil na minha vida de crente é contribuir para a Igreja. O pastor comentou em particular: “O que mais me encanta nele é que a fé está ligada à sua fidelidade.

Jesus declarou: “Se não fordes fiéis na aplicação das riquezas deste mundo, quem vos confiará à verdadeira”? (Lucas 16.11). O dízimo é a base, a oferta alçada, o complemento, o prato de amor. No vocabulário de Deus, negar a entrega do dízimo é roubo (Malaquias 3). Por que?

Certo senhor ia ser batizado. No momento de se preparar para o batismo, o bondoso homem pegou sua carteira colocando-a no roupão de batismo. Senhor, disse o diácono, o dinheiro vai molhar... Não, amigo, eu quero batizar também a minha carteira. Jesus declarou: “Quem é fiel no mínimo (dízimo) será fiel no máximo”.

O dízimo não é questão pessoal. No tempo da colonização americana, um dos fazendeiros entregava fielmente o dízimo de suas colheitas- batatas, maçãs, etc. – na sede de sua igreja, mês após mês. Houve um desentendimento com o pastor. No dia aprazado levou o dízimo para a igreja. Perguntaram: você vai entregar o dízimo depois do que aconteceu? Meu compromisso é com Deus. A Ele entrego o que a Ele pertence. Dias depois a situação se acalmou e o pastor manifestou de público sua alegria por alguém que vê Deus por detrás daquilo que faz.


III – O QUE REALIZA O DINHEIRO QUE CONSAGRO A DEUS

1. Sustenta o ministério da igreja.

2. Ajuda a obra social

3. Realiza a obra mundial de evangelização.

4. Ajuda evangelizar o Brasil.

Em um túmulo na Itália li: “Aqui jaz Estrela que subiu ao céu para gozar dos rendimentos de 50 mil florins que mandou através da igreja para o banco do céu.”

Se desejar, deixe o seu comentário abaixo: