top of page

FILEMON

Sermão pregado na Igreja Batista da Tijuca atual Primeira Igreja Batista no Andaraí, no Rio de Janeiro, em 26.09.1953

Esta é uma das mais lindas epístolas. A mais linda e humana das cartas de Paulo. Observemos seu ensino e procuremos aplicá-lo às nossas vidas.


I - O HOMEM FILEMON

1. Era possivelmente um homem de recursos, pois era senhor de escravos. Em Roma e no Império, cerca de dois terços eram escravos. E o senhor de escravos era favorecido.

2. Apesar de possuir recursos era devotado inteiramente às coisas espirituais. Sua casa era um ponto de pregação. Ao lermos o verso 22, vemos que era uma hospedaria também.

3. Seu lar era feliz. Sua esposa se chamava Afia e era crente consagrada a Deus. Seu filho se chamava Arquipo e era uma de três coisas: Presbítero, evangelista ou leitor da Palavra nos cultos. Interessante notar a influência das mulheres na igreja primitiva.

4. Filemon era dado como um dos mártires do tempo de Nero. Diz a tradição que foi morto, bem como toda a sua família.


II - EXEMPLOS QUE FILEMON SUGERE

1. O homem de posição pode ser consagrado.

2. O amigo vale em todo o tempo. Durante a estadia de Paulo em Éfeso, Filemon se converteu e o recebeu em sua casa. Agora, Paulo o convocava para que lhe prestasse um serviço e o fazia em confiança absoluta.

3. Filemon era cooperador e amado. Amor derivado de uma fé viva. Dois dos mais lindos qualificativos para qualquer pessoa. O homem que pode cooperar é feliz. O homem que pode ser amado é feliz. Mais feliz ainda é o pastor que pode abrir o coração e dizer para alguns de seus colaboradores: "Meu amado irmão; meu colaborador nas lutas do Evangelho".

4. Filemon ilustra o valor do leigo na esfera gloriosa do desenvolvimento do Reino de Deus. Lucas foi também amigo, assim como Barnabé e Estevão e alguns dos vultos mais gloriosos da história da igreja. Pensemos em Filemon senhor de escravos a entregar sua casa para ponto de pregação em uma época quando o Evangelho estava em seus primórdios.


III - FILEMON, GERADO POR PAULO - verso19.

1. Quem de nós poderia medir a influência de uma alma ganha por Cristo? Talvez Paulo naquele dia em Éfeso, quando viu Filemon aceitar sua palavra gloriosa jamais pensasse no que aquela alma haveria de se tornar no Evangelho. Ninguém sabe a influência que um homem pode ter nas mãos de Deus. Li a história de uma lavadeira que trouxe mais almas para Cristo do que muitos pastores. Ao seu enterro compareceram alguns dos principais do lugar. Um deles pediu a palavra e disse: "Foi num dia de muita chuva. Ela perguntou-me: Moras longe? Estás abrigado? E para a vida eterna o senhor está também abrigado? Tais palavras trouxeram-me a Cristo. E os testemunhos se sucederam.

2. Conheci uma velhinha pobre que recebeu em sua cidade na roça um rapaz de aparência piedosa, mas paupérrimo. Deu-lhe um pequeno auxílio. O rapaz mais tarde voltou àquela cidade para ser o pregador do Evangelho.

3. Quando Dwight L. Moody – (1837-1899) era ainda rapaz, estava de viagem para uma cidade distante, sem recursos. Um homem de Deus tomou-lhe a mão e disse: "Toma este auxílio, meu filho e Deus te abençoe". 35 anos mais tarde, Moody disse: "Ainda sinto o calor e a bênção daquele coração humilde".

4. Paulo, o grande apóstolo, era maior que Filemon, mas se lhe apresentava como servo, se bem que com ousadia pudesse dizer: "Tu te deves a mim; tua alma, esta alma preciosa que foi remida por Cristo foi ganha por minha instrumentalidade.” Amados, quantas almas já foram remidas por nossa influência? Quantos corações foram abrigados por nossa pergunta abrasadora?

5. Uma das maiores glórias de qualquer pessoa será a gloria de dizer: fui trazido à Cristo por aquele irmão.


IV - A INTERCESSÃO GLORIOSA DA EPÍSTOLA

Paulo se apresenta aqui como intercessor e garantia de Onésimo. Ele se coloca como mediador entre Onésimo e Filemon. Nós podemos ser mediadores entre o pecador e o Salvador.

Comentarios


Se desejar, deixe o seu comentário abaixo:
bottom of page