DEVEDOR, MAS PRONTO A PAGAR (Romanos 1.14-15; João 21)

Sermão pregado na Igreja Batista da Esperança em 16.09.1973


Diante de nós um homem devedor e responsável. Na preparação para uma série de conferências, vale pensar neste homem. Trago aos irmãos o exemplo de uma senhora de 65 anos, da Igreja Jardim Brasil, que decidiu evangelizar em Batatais, a 160 quilômetros da sua cidade e ganhou nove para Jesus em seis meses. Paulo devia e queria pagar. Aquela senhora sentiu-se devedora e decidiu pagar. E nós?


I - EU SOU DEVEDOR

Passagem um tanto difícil de se traduzir, mas implica duas ideias básicas: Devedor pelo muito que recebi; devedor pelo muito que me é pedido.

Paulo sentia-se devedor porque não se julgava merecedor de coisa alguma. Para ele a graça era prato especial, pois que perseguira a igreja de Deus.

Paulo não exaltava a sua cultura, a sua capacidade de trabalho, mas a sua sempre presente incapacidade e a contínua necessidade da graça em maior abundância.


II - SOMOS DEVEDORES COMO INDIVIDUOS E COMO IGREJA

1. Devemos pelo campo da nossa atuação. Em Marechal Hermes-RJ., um pastor preocupado por falta de campo para a evangelização. Nós sozinhos no centro da grande Metrópole. Campo para nós da igreja.

2. Devemos pelas experiências individuais da graça de Deus.

3. Devemos pela igreja, como igreja e como desafio. Temos uma igreja aqui que cobre o mundo pela agência missionária que desenvolve.

4. Somos devedores no campo da família. Quantos ainda não receberam a Palavra?

5. Responsáveis fora do lar. Os vizinhos que precisam ouvir, que devem ouvir, que podem ouvir... Renato Guimarães e a família do irmão José. Quatro almas por causa de sua atuação constante. D. Isaura veio da Bahia para trazer o Candomblé ao seu irmão e o encontrou salvo e firme.

6. Responsáveis pelo mundo ao redor, que perecem.


III - COMO PAGAR NOSSAS ENORMES DÍVIDAS

Em João 21 Jesus dá a formula para o pagamento ao seu discípulo Pedro: "Amas-me... Prova pelo serviço o teu amor... a prova do teu amor é o teu serviço".

Jovens na Tailândia depois de anos a fio sem conversões. Recital musical e testemunho. O rei os convidou. Em vez de 30 minutos ficou 90 minutos. O rei também tocou. Cinco anos mais tarde, a casa da irmã do rei à venda no centro da cidade. Tiveram ofertas de 500 mil dólares. Os batistas ofereceram 30 mil. O rei perguntou se os jovens eram batistas e decidiu vender por 30 mil dólaresem gratidão. Serviço que compensa.

Se desejar, deixe o seu comentário abaixo: