A MULHER QUE SE CHAMA MULHER (João 11.2)

Sermão pregado em 14.05.1972

Sermão para o Dia das Mães


A mensagem de hoje fala sobre a mulher chamada Maria, mas queremos que o segundo nome seja substituído por aquela que na sua maneira de pensar possa substituir a presença de Maria. A esperança do pastor é que todos os filhos possam dizer isto de suas mães neste dia.


I - A MULHER QUE SE CHAMA MARIA

Três retratos de Maria, irmã de Lázaro nos Evangelhos:

1. A aluna chamada Maria (Lucas 10.39).

2. A mulher que oferece o seu melhor ao seu Mestre (João 12.3).

3. A mulher que adora a Jesus . No momento mais triste da sua vida a maior adoração que lhe foi possível (João 11.32).

A humildade de Maria é retratada nas três aparições que faz na Bíblia. Sempre aos pés do Senhor. A humildade precede a honra.


II - A MULHER QUE É A MESMA MULHER

Temos no texto um alto louvor à pessoa de Maria. Aqui está a mulher que é a mulher. Temos aqui uma pessoa que é descrita como sendo a mesma. Vivemos o mundo das variações, das alterações.

Susanna Wesley (1669-1742), mãe de 10 filhos. Sua mãe tivera 24 filhos. Susanna era filha de uma tradição. Seu pai, pastor Samuel Annesley (1620-1696) era amado pela sua piedade. Susanna foi a mais dedicada dos 24 filhos. Muito jovem, casou-se com o pastor Samuel Wesley (1703-1791). Nove cresceram e se tornaram bons crentes. Susanna ensinava a temer no primeiro ano de vida. Logo que começava a falar aprendia a oração do Pai Nosso que era repetida pela manhã e à noite. No dia em que a criança completava 5 anos, começava aprender a ler. Todos aprendiam o alfabeto no dia do aniversário, com exceção de duas filhas. Depois começavam a ler a Bíblia (Gênesis 1.1 era o primeiro verso).

De 9 às 12 horas e das 14 às 16 horas, Susanna ensinava aos filhos a leitura e a fé. Susanna quase não comia carne e nenhum dos seus filhos habituou-se a comer carne, mas legumes e frutas. Susanna falou de certa feita com um dos seus filhos 15 vezes para fixar uma lição. O marido ponderou: "Susanna, você está perdendo tempo". Ela replicou: "Vou repetir mais 5 vezes; se não conseguir, desisto". A criança aprendeu.

Susanna orava com cada filho, cada dia, Declarou de certa feita: "Só a renúncia total trouxe-me à alegria total de ver todos os filhos crentes e dedicados".


III - A MULHER QUE É MULHER NO CONCEITO DE JESUS

1. Maria escolheu a boa parte.

2. Deixai-a em paz; que o guarde para o dia do sepultamento" (João 12.7).

Oremos no dia de hoje por nossas mães para que se dediquem ainda mais e agradeçamos a Deus por aquilo que têm feito por nós.

Se desejar, deixe o seu comentário abaixo: