O DÉBITO QUE FAZ DE ALGUÉM UM MISSIONÁRIO

Romanos 1:14-15ª

“Pois sou devedor tanto a gregos como a bárbaros, tanto a sábios como a ignorantes.”


I – O débito de amor a Cristo


1.    Paulo não é escravo, porque escravo não tem liberdade, mas é servo, sujeito a Cristo a quem ama. 
2.    Cristo é seu maior motivo. Mais importante que seus cursos, parentes ou preferências pessoais.
3.    Cristo nivela diante dele todos os povos. O bárbaro assume a cadeira ao lado do grego, que se julgava sábio.
4.    Paulo só via a alma dos homens, nada mais.


II – O débito que exige uma consagração irrestrita


1.    Paulo não conhecia aqueles destinatários, mas os amava. Não conhecia muito dos seus problemas, mas se dispunha a ajudar na solução dos mesmos.

2.    Paulo dava assim um salto no escuro. Estava pronto a ir, sem condições. Suas reservas seriam todas consagradas a Deus, tendo apenas uma limitação: Sua própria capacidade física. “Tanto quanto estiver em mim”. Sua vida prova que ele cumpriu integralmente a palavra aqui empenhada.

 

III – O débito que leva o devedor a encarar oportunidades mais que dificuldades


1.    Paulo via uma oportunidade. No remanescente do capítulo ele nos dá uma ideia do quanto conhecia acerca da depravação do mundo gentio. O pecado era real, mas para ele os problemas não se constituíam em desafio, ao contrário: em oportunidades.

Compartilhar
Twitar
Google+
Please reload

Se desejar, deixe o seu comentário abaixo:

© 2018 Família David Gomes - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido e customizado por MTV Developer - RJ/Brasil

Créditos e Gratidão